Branding hoje é sobre como criar clientes, não produtos

Posted by on jan 18, 2019 in Blog | Acompanhe nossas notícias | No Comments

Você já se perguntou como a marca mudou desde os dias vividos no seriado Mad Men? Esses dois diagramas contam toda a história. Mostre este slide presente no livro The Brand Flip, de Marty Neumeier quando precisar persuadir as pessoas de que os clientes vêm em primeiro lugar.

À esquerda está o antigo modelo da marca. Foi baseado na lógica da fábrica. A empresa cria a marca (através de produtos e publicidade), a marca atrai clientes (como público cativo) e os clientes apoiam a empresa (através de compras repetidas). Lógico, certo?

À direita está o novo modelo de marca. É bem parecido, mas com uma diferença importante. Em vez de criar a marca primeiro, a empresa cria clientes (por meio de produtos e mídias sociais), os clientes constroem a marca (por meio de compras e defesa) e a marca construída pelo cliente sustenta a empresa (por meio de lealdade “tribal”). Esse modelo leva em conta uma verdade profunda e contraintuitiva: uma marca não é de propriedade da empresa, mas dos clientes que extraem significado dela. Sua marca não é o que você diz. É o que eles dizem que é.

Antigamente, uma empresa poderia encontrar um buraco no mercado, preenchê-lo com um produto, determinar um preço e levar o produto para a vida das pessoas com publicidade e distribuição pesadas. A única escolha que os clientes tinham era comprar ou não comprar. O poder real estava com a empresa, cujos líderes eram vistos como figuras de autoridade.

Os clientes de hoje rejeitam essa autoridade e, ao mesmo tempo, querem uma medida de controle sobre os produtos que adoram. Eles não compram mais marcas. Eles se juntam às marcas. Eles querem um voto no que é produzido e como é entregue. Eles estão dispostos a arregaçar as mangas e ajudar, não apenas promovendo a marca para seus amigos, mas contribuindo com conteúdo, oferecendo ideias voluntárias e até mesmo vendendo produtos ou serviços. É um novo mundo de marca.

 

Texto traduzido do site do autor www.martyneumeier.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *